Afinal, comprar casa pode mesmo sair mais barato do que arrendar

Há quem diga que hoje em dia que pedir um crédito ao banco para comprar casa própria sai mais em conta do que arrendar um imóvel. Fizemos as contas:

Mas será que comprar casa pode sair mais em conta do que arrendar habitação? O Dinheiro Vivo e o ComparaJá fizeram as contas e, saiba desde já que pode realmente sair mais barato comprar casa.

A resposta obviamente depende da região do país e do banco.

Tomemos o caso do João e da Teresa, um jovem casal em união de facto, que procura um T2 no centro da cidade. Fixemos nos 80 metros quadrados. Para o financiamento do apartamento, com um prazo a 30 anos, estimou-se uma atribuíção de 80% do valor do imóvel.

Foram ainda realizadas simulações em 14 bancos para apurar o valor das prestações mensais médias, assim como as despesas iniciais e anuais associadas à compra de casa em várias localidades do País: Lisboa, Porto, Braga, Setúbal, Funchal, Coimbra, Faro e Ponta Delgada. Nos encargos associados à opção de compra de casa também foram contabilizados os custos com o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e as despesas com o condomínio – foi assumida uma anuidade de 500 euros em todos os concelhos -, valores que foram diluídos nas mensalidades.

 

Quais as opções da Teresa e do João?

Tanto ao nível da compra como do arrendamento, as opções variam muito consoante a zona do País. Em Lisboa, sem surpresa, encontram-se as mensalidades médias mais elevadas: se o casal optasse por comprar casa teria de suportar 1204 euros por mês com encargos do crédito à habitação, condomínio e IMI mensalizados; arrendar teria um custo médio de 1119 euros.

A diferença é de 8% acima para o mercado da compra e venda. Igual a Lisboa, em que os custos do arrendamento ainda são mais favoráveis do que os da compra só mesmo em Faro. Na capital do Algarve, 61 euros separam a compra do arrendamento, neste cenário.

A prestação de crédito, com condomínio e IMI mensalizados ficaria a 499 euros por mês, enquanto arrendar não seria mais do que 438 euros. “Apesar de arrendar casa nos concelhos de Lisboa e Faro significar gastar menos ao final do mês, a verdade é que ainda assim a compra se afirma como a solução mais apelativa”, lembra Sérgio Pereira, diretor-geral do ComparaJá.

E explica: “Mesmo que o casal invista a diferença acumulada a cada mês ao longo dos trinta anos num produto financeiro com uma rendibilidade alta, o total amealhado no final será sempre muito inferior ao valor da casa adquirida, um enorme activo que ficará a ser sua propriedade”.

Fonte: www.dinheirovivo.pt